Monitoramento não invasivo do estresse em animais silvestres mantidos em cativeiro

Vanessa Souza Altino, Sergio Luiz Gama Nogueira-Filho, Selene Siqueira da Cunha Nogueira

Resumo


Nas últimas décadas a preocupação com o bem-estar de animais criados em cativeiro foi intensificada e paralelamente, houve aumento da demanda por estudos relacionados à avaliação do bem-estar desses animais. Uma das maneiras de avaliar o estresse dos animais é realizar o monitoramento não invasivo por meio da quantificação da concentração de metabólitos de glicocorticóides em amostras de fezes. Esta técnica é conveniente porque causa pouca perturbação na coleta de amostras sem necessidade de imobilização dos animais, além disso, a coleta diária das fezes faz parte da rotina dos animais criados em cativeiro. A elevação na concentração de metabólitos de glicocorticoides, contudo, nem sempre está relacionada ao bem-estar empobrecido. Alguns exemplos confirmam que comportamentos positivos ao bem-estar dos animais, tais como a brincadeira, cópula e o uso de enriquecimento ambiental também estimulam a produção e elevação de glicocorticoides pelo eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Além disso, animais com estresse crônico também podem se habituar às condições do ambiente e apresentarem baixa produção de glicocorticoides. Dessa forma, além do monitoramento fisiológico, é recomendada a análise das respostas comportamentais para acessar o estresse. O aparecimento ou aumento na ocorrência ou frequência de comportamentos potencialmente indicadores de estresse, como pacing e outros comportamentos estereotipados, podem denotar bem-estar empobrecido. Nesse artigo, portanto, foi feita uma revisão sobre métodos usados para monitoramento não invasivo do estresse em animais neotropicais criados em cativeiro destacando as lacunas no conhecimento atual para estimular novos estudos para determinar ferramentas para o monitoramento do bem-estar desses animais.


Texto completo:

PDF